Pielografia intravenosa

Para usar os recursos de compartilhamento nessas páginas, habilite o JavaScript.

Um pielograma intravenoso (PIV) é um exame especial com raios-X dos rins, bexiga e ureteres (os tubos que transportam a urina dos rins para a bexiga).


dor na ponta do dedo quando pressionado

Como o teste é realizado

Um IVP é feito na sala de radiologia de um hospital ou no consultório de um provedor de saúde.



Pode ser solicitado que você tome um remédio para esvaziar o intestino antes do procedimento para fornecer uma visão melhor do trato urinário. Sua bexiga precisará ser esvaziada antes do início do procedimento.

Seu provedor injetará um meio de contraste (corante) à base de iodo em uma veia de seu braço. Uma série de imagens de raios-X são tiradas em momentos diferentes. Isso é feito para ver como os rins removem a tintura e como ela se acumula na urina.

Você precisará permanecer imóvel durante o procedimento. O exame pode levar até uma hora.

Antes de tirar a imagem final, você será solicitado a urinar novamente. Isso é para ver se a bexiga está bem esvaziada.

Após o procedimento, você pode retornar à dieta e aos medicamentos que normalmente toma. Beber bastante líquido é recomendado para ajudar a remover todo o meio de contraste de seu corpo.

Preparação para o exame

Como acontece com qualquer procedimento de raio-x, diga ao seu provedor se:

  • São alérgicos ao material de contraste
  • Está grávida
  • Tem alguma alergia a medicamentos
  • Tem doença renal ou diabetes

Seu provedor lhe dirá se você pode comer ou beber antes deste teste. Pode ser prescrito um laxante para tomar na noite anterior ao procedimento para limpar o intestino. Isso ajudará os rins a aparecerem com clareza.


o que significa um alto nível de co2?

Você deve assinar um formulário de consentimento informado. Você deverá usar uma bata de hospital e remover todas as joias.

Como será o teste

À medida que o corante de contraste é injetado, você pode sentir queimação ou vermelhidão no braço e no corpo. Da mesma forma, um gosto metálico pode ser sentido na boca. Isso é normal e desaparecerá rapidamente.

Depois de injetar o corante de contraste, algumas pessoas têm dor de cabeça, náuseas ou vômitos.

A cinta de compressão do rim pode parecer apertada na área do abdômen.

Razões pelas quais o teste é feito

Um PIV pode ser usado para avaliar:

  • Uma lesão abdominal
  • Infecções da bexiga e rins
  • Sangue na urina
  • Dor lateral (possivelmente devido a pedras nos rins)
  • Tumores

Significado de resultados anormais

O exame pode revelar doença renal, defeitos de nascença, tumores, cálculos renais ou danos ao sistema urinário.

Riscos

Existe a possibilidade de ter uma reação alérgica ao corante de contraste, mesmo que você tenha recebido corante de contraste no passado sem problemas. Se você tem uma alergia conhecida ao contraste de iodo, um teste diferente pode ser feito. Outros exames incluem pieloureterografia retrógrada, ressonância magnética ou ultrassom.

A exposição à radiação é baixa. A maioria dos especialistas considera o risco baixo em comparação com os benefícios.

As crianças são mais sensíveis aos riscos da radiação. Este teste provavelmente não será feito durante a gravidez.

Considerações

A tomografia computadorizada (TC) substituiu a PIV como principal ferramenta de avaliação do sistema urinário. A ressonância magnética (MRI) também é usada para examinar os rins, ureteres e bexiga.


diz-se que uma pessoa que tem uma cópia extra de um cromossomo tem

Nomes alternativos

Urografia excretora; PIV

Imagens

  • Anatomia renalAnatomia renal
  • Fluxo de sangue e urina - o rimFluxo de sangue e urina - o rim
  • Pielograma intravenosoPielograma intravenoso

Referências

Bishoff JT, Rastinehad AR. Imagem do trato urinário: princípios básicos de tomografia computadorizada, ressonância magnética e imagem de filme simples. In: Partin AW, Domochowski RR, Kavoussi LR, Peters CA, eds. Urologia Campbell-Walsh-Wein . 12ª ed. Filadélfia, PA: Elsevier; 2021: cap 3.

Gallagher KM, Hughes J. Urinary tract obstruction. In: Feehally J, Floege J, Tonelli M, Johnson RJ, eds. Nefrologia Clínica Abrangente . 6ª ed. Filadélfia, PA: Elsevier; 2019: cap 58.

Sakhaee K, Moe OW. Urolitíase. In: Yu ASL, Chertow GM, Luyckx VA, Marsden PA, Taal MW, Skorecki K, eds. O Rim de Brenner e Rector . 11ª ed. Filadélfia, PA: Elsevier; 2020: cap 38.

Revisado pela última vez em 01/10/2021

Versão em Inglês revisada por: Kelly L. Stratton, MD, FACS, Professor Associado, Departamento de Urologia, Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Oklahoma, Oklahoma City, OK. Também revisado por David Zieve, MD, MHA, Diretor Médico, Brenda Conaway, Diretora Editorial e o A.D.A.M. Equipe editorial.

Tradução e localização por: DrTango, Inc.

Cancêr de rinsCancêr de rins Continue lendo BexigaCâncer de bexiga Continue lendo BexigaDoenças da bexiga Continue lendo